Tremei

Na minha vida, é muito freqüente eu ser avaliado por pessoas que sabem menos do que eu sobre a matéria em análise. Isso gera um temor e uma insegurança que você pode imaginar.

Não, não estou sendo arrogante, as questões são mal formuladas mesmo. Por exemplo, em uma prova que fiz há pouco tempo, havia esta questão.

“3) Na oração ‘havia um rei que causava espanto’ o sujeito é:” (seguiam-se as opções).

Agora, veja: há duas orações. Uma é a oração principal, “havia um rei”, outra é a subordinada adjetiva, “que causava espanto”. Agora, diga-me, qual é a oração a que se refere o enunciado? A primeira é oração sem sujeito; na segunda, o sujeito é simples — e, òbviamente, há as duas opções.

Freqüentemente me deparo com situações onde NÃO EXISTE resposta certa e tenho que adivinhar qual é a que o avaliador imbecil reputa correta. Essa semana, fui avaliado por uma psicóloga que pronunciava “laRGAta”.

Agora me diga, qual é a chance que eu tenho perante uma PISCICÓLOGA (uma pessoa que estuda peixes) que pronuncia “laRGAta”? E uma pessoa dessas está me *avaliando*.