Uma tarde com Rorschach

Alguns meses atrás, fiz um teste de Rorschach. Você sabe, aquele com os borrões simétricos: você olha e diz ao psicólogo o que está vendo. Aliás, foi nesse mesmo teste que a piscicóloga disse “largata”.

Um dos borrões tinha genitais femininos. Perguntei à psicóloga se, diante de uma obscenidade, eu dizendo que era isso que via, a que isso levaria? e ela respondeu, eu tomaria nota. Bem, sob o risco de ser rotulado de tarado, disse que era isso que estava vendo. Mais tarde, à noite, fui ao Google e encontrei uma página com o gabarito do teste: de acordo com ele, se eu não visse genitais femininos naquela figura, aí eu seria considerado anormal. Da mesma forma a figura onde vi dois ursos fazendo um high five: pelo gabarito (complementado por outra página, cujo URL me foge), eu deveria mesmo ter visto duas figuras gordas (palhaços, na verdade) encontrando-se.

Mas o que vim comentar é outra coisa. Há uma figura onde vi uma das torres de Las Vegas. Isso está influenciado pelo fato de que gosto muito de assistir a C.S.I., e a série sempre começa com uma vista aérea da cidade, seus espigões ao sol, hotéis, obeliscos e miniatura da torre Eiffel assando, o deserto ao fundo. Então, eu vejo uma forma longilínea vertical, eu digo que é uma das torres de Las Vegas. Certo?

Bem, o gabarito diz que aquela porção do desenho é um símbolo fálico e que é isso que uma pessoa normal tem que ver. Bem, foi o que vi, não foi? Torres e obeliscos são símbolos fálicos, são manifestações artísticas com uma noção de pretenderem impor-se, de projetarem-se. O que acontece é que, através do teste, percebi nìtidamente o que não percebera até ali: o quanto Las Vegas está imbuída de uma simbologia que é a própria materialização representativa do sonho americano. Toda aquela idéia de avançar para Oeste, conquistar o terreno, expor ao mundo a pujança, a capacidade e a disposição, toda essa necessidade que os americanos têm de mostrar como são machos alfa, conquistadores valorosos e intrépidos empreendedores. É interessante como um teste psicológico que eu fiz mostra um bocado sobre a psique dos outros.