Destaques do Velho Mundo

Se um dia eu estiver a fim, conto mais coisas. Hoje vou contar só algumas coisas que me chamaram a atenção.

1. Biblioteca Britânica
Ali havia uma exposição de manuscritos e de impressos do início da imprensa. Uma das primeiras coisas impressas na Europa era, imagine só, um formulário de indulgência. Porque a Igreja vendia centenas, milhares de indulgências por dia, por mês, por ano, gastava-se muito tempo escrevendo os documentos, e os escribas não davam vazão. Então, inventou-se um formulário igual a esses de DARF que você compra em papelaria, ou igual a esses de diploma: o texto do perdão vem todo pronto, só falta você preencher o nome. Então, o mortal ia lá, comprava o formulário, preenchia (ou, mais provàvelmente, pedia para alguém preencher a rogo) e levava para o padre como comprovante.

Como você vê, à Igreja não faltava pragmatismo. Eu pensei outras coisas engraçadas na hora, mas não lembro mais.

2. Museu do Prado
Você está lá, cercado de obras-primas de Bosch, Ticiano, Caravaggio, Goya, Velásquez. Passa um grupo de velhos acompanhando um guia. Nenhum deles olha sequer de relance para as paredes. Simplesmente se ocupam de seguir o guia e não dedicam um segundo pensamento a olhar em volta, como se não estivessem em um museu, como se não houvesse nada para ver. Pra fazer isso, é melhor nem viajar, né não? Igual àquela gente que viaja e diz que não tinha nada pra comer, “tive que comer no McDonald’s, porque eles não tinham arroz com feijão”.

3. B-17 Pink Lady
Aconteceu comigo aquilo que havia acontecido com Hiro e o Lancaster (veja aqui, em Junho 16, 2007). Estava trocando de roupa no quarto de hotel quando ouvi um ruído de avião diferente lá fora. Corri à janela a tempo de ver uma B-17, seus quatro motores girando, sobrevoando Londres, tal como sessenta anos atrás.