Síndrome da paisagem

Esta mensagem da Bárbara Axt estimulou-me a vir repetir um tema antigo que me é muito caro. Existem livros demais, filmes demais, quadrinhos, artigos de revistas, da Web, coisas demais para ver, e não dá tempo de aproveitar tudo no tempo de uma só vida. Chamo a isso de síndrome da paisagem: sou como um cego, sabendo que está diante de uma paisagem mas incapaz de admirá-la. Posso ler um zero vírgula por cento de tudo quanto há, mas quase tudo vai escapar.

Como se isso não bastasse, cada obra que você consome também o estimula a pensar, comparar, correlacionar e, se tiver disposição, escrever mais. Então, só acumula, acumula, acumula. A produção vai ficando gigante, bola de neve mesmo. Em Engenharia, a gente diz que é um caso de retroalimentação positiva: o resultado do processo contribui para ampliar a causa do mesmo processo. (Na retroalimentação negativa, o resultado diminui a causa.)

Um problema é onde e como armazenar toda a produção, que, em princípio, é o legado da humanidade, com tudo que tem de bom e de ruim. Escolher o que preservar, e o que não, é basicamente uma questão ideológica, então presumo guardar tudo. Outro problema é como indexar para recuperação: não adianta você ter a informação e não conseguir chegar até ela, porque isso equivale a não tê-la.

Um terceiro problema, este pessoal mais do que institucional mas comentado pela Bárbara, é você ter tempo de organizar seus pensamentos e deitar a pena ao papel. No meio da azáfama, acabamos sufocados e não conseguimos sequer terminar as tarefinhas que começamos. Ela está em busca de uma solução e eu, que compartilho a dor, desejo-lhe sucesso.

***

Mudando de assunto, hoje eu caminhava em frente ao Centro Cultural da Justiça Federal quando vi a placa em (suposto) inglês para benefício de turistas. Só olhei de relance, mas sei qual é o conteúdo: a placa comenta o próprio prédio, que, històricamente, foi a sede do Supremo Tribunal Federal. No meio do texto, meu olho bateu em “… The Hearing Room was…” e pensei, “hearing room”? Sala de ouvir? Traduzindo de volta, entendi que é a sala de audiências, courtroom ou, sendo benevolente com o tradutor, audience room. Fico pensando no pobre turista, deparando-se com uma sala que escuta. Sabe como é, as paredes têm ouvidos.