O Carnaval começou bem

Acabo de ler que Sérgio Naya morreu hoje na Bahia. Sòzinho.

Para uma família, deve ser muito triste ler os comentários que já começaram a aparecer no saite dO Globo: “já foi tarde”, “tomara que o túmulo desabe” etc. Mas você colhe o que planta.

Até há pouco, a riqueza do ex-deputado estava inatingível, impedindo o pagamento de suas vítimas. Diz o mesmo saite que o advogado delas considera que, agora, vá ser mais fácil encontrar esses bens, porque, para que sejam herdados, terão que aparecer em juízo.

Infelizmente, discordo. Existem meios e modos, especialmente em um país ainda não informatizado. Além disso, os interessados sempre poderão continuar a curtir a fortuna sem que ela esteja em seu nome, quanto mais não seja porque ninguém virá reclamá-la. Formalidades jurídicas não importam quando o exercício do poder se faz na vida prática.

Mas o comentário mais sábio que li foi também o mais sucinto (como costuma ser): a esta hora, ele está curtindo a vida no Taiti.

Recém-lidos: Catch That Rabbit e Liar!, contos de Isaac Asimov em I, Robot;
Justice League of America #168 (julho de 1979), publicada em Coleção DC 70 anos no. 5 (setembro de 2008);
Super-Star Holiday Special (abril de 1980), segunda história, publicada em Coleção DC 70 anos no. 6 (outubro de 2008).

EOF