Segundo e iconoclástico resmungo contra o Acurto Ortográfico

Até dezembro de 1971, usavam-se acentos diferenciais no Brasil. Naquele ano, por força da lei 5765, deixamos de usá-los. Com isso, deixamos de diferenciar acerto (substantivo: eu acertei, isso foi um acerto) de acerto (do verbo acertar).

Haverá quem diga que o contexto sempre nos permitirá dizer qual das duas palavras está sendo usada. É verdade. Só que, com isso, o texto fica mais difícil, você leva mais tempo na leitura, tem que espremer mais raciocínio que seria melhor empregado interpretando o texto inteiro do que só uma palavrinha. O texto sofre, fica menos fluido, sua velocidade de leitura cai. Eu, pelo menos, sempre fico mais revoltado quando isso acontece.

Posso dar um exemplo de como a reforma de 1971 piorou minha vida sob alguns aspectos. Existe um livro de Monteiro Lobato chamado A reforma da Natureza (não da ortografia). A passagem mais criativa é onde Emília imagina papel nutritivo e com sabor, sugerindo que a fome do corpo seja tratada junto com a do espírito, de uma vez só. Você leria e, ato contínuo, comeria seu livro. Eis aqui o trecho original (cortesia do Scribd, onde você viola direitos autorais sem ser perturbado):

“– Muito simples. Em vez de impressos em papel de madeira, que só é comestível para o caruncho, eu farei os livros impressos em um papel fabricado de trigo e muito bem temperado. A tinta será estudada pelos químicos — uma tinta que não faça mal para o estômago. O leitor vai lendo o livro e comendo as folhas; lê uma, rasga-a e come. Quando chega ao fim da leitura está almoçado ou jantado. Que tal?

“A Rãzinha gostou tanto da idéia que até lambeu os beiços.

“– Ótimo, Emília! Isto é mais que uma idéia-mãe. E cada capítulo do livro será feito com papel de um certo gosto. As primeiras páginas terão gosto de sopa; as seguintes terão gosto de salada, de assado, de arroz, de tutu de feijão com torresmos. As últimas serão as da sobremesa — gosto de manjar branco, de pudim de laranja, de doce de batata.”

Quando li esse trecho pela primeira vez, interpretei essa última ocorrência da palavra gosto como o verbo gostar: eu gosto. Foi só anos depois que descobri que era o substantivo, sinônimo de sabor.

Como poderia Lobato ter resolvido a ambigüidade? No original mesmo, publicado lá pelos anos 40, ela estava resolvida, porque ele pôs acento em gôsto. Nos exemplares pós-1971, tratando-se do verbo, ele poderia ter posto um pronome reto eu, mas, no caso do substantivo, a ambigüidade não tem cura: você fica sem saber mesmo.

Apesar da “solução” de 1971, alguns acentos diferenciais permaneceram: pêra, pára e devo estar esquecendo outros.

Mas, agora, nossos Acadêmicos (que mais parecem os do Salgueiro do que os da Academia Brasileira de Letras) decidiram que não poderiam manter meio erro: tinham, por coerência, que ir até o fim e cometer um erro inteiro. Então, pelo novo Acordo Rotográfico, aboliram os acentos diferenciais que ainda restavam. Está lá, falaciosamente, no Anexo II do Acordo, item 5.4.1:

“As razões por que se suprime, nestes casos, o acento gráfico são as seguintes:

“a) Em primeiro lugar, por coerência com a abolição do acento gráfico já consagrada (…) pela Lei nº 5.765, de 18/12/1971 (…)”

As regras já não fazem sentido, a grafia já não tem lógica. Eles dizem que a pronúncia foi o principal critério da reforma, porém refazem as regras de modo que você não tenha como descobrir a pronúncia de nada a partir da leitura.

***
Podia ter sido pior. De acordo com o mesmo Anexo II, o acordo de 1986 abordou o fato de que algumas palavras levavam acento circunflexo no Brasil e agudo em Portugal (p.ex.: cômico x cómico). Para resolver esse problema, trouxe uma solução muito simples: pretendeu abolir TODOS os acentos da língua. O acordo de 1986 só não foi adiante porque os portugueses o rejeitaram em massa. Aí, os luminares decidiram repensar o caso e descobriram que, puxa vida, olha só, essa dupla acentuação só acontecia em 1,27 % (sim, isso mesmo: um vírgula 27 por cento) das palavras acentuadas! Por causa delas iam eliminar TODOS os acentos!

Repensado o caso, os gênios da Lexicologia descobriram que a eliminação dos acentos traria algumas dificuldades, a saber:

– ao ler as palavras, todo o mundo correria o risco de passar a pronunciá-las errado;

-ao aprender palavras pouco usadas (especialmente as de uso científico), o leitor correria o risco de aprender a pronunciá-las errado;

– de modo geral, seria mais difícil aprender a língua;

– ficaria mais difícil descobrir se o Autor de um texto estaria dizendo análise ou analise (“contanto que eu analise”), fábrica ou fabrica (“a Embraer fabrica aviões”), etc.

Vem cá. Primeiro, os caras resolvem abolir 98,73% dos acentos porque os outros 1,27% têm grafia variável; depois de rejeitada a medida, descobrem que era melhor avaliar o caso antes de tomá-la; e, finalmente, descobrem que sem os acentos ninguém ia mais conseguir ler nada? Qual foi a parte que eu perdi?

Tenho mais perguntas. Vocês já notaram que isso só acontece entre Brasil e Portugal? Nunca ouvi falar de ter havido imbroglios assim entre, por exemplo, a França, a Bélgica e o Canadá; ou entre Reino Unido, Estados Unidos, Austrália, África do Sul e Nova Zelândia. Só nós, os numerosíssimos países falantes do português, é que ficamos dando essas voltas.

E pra que mudar se a gente continua conseguindo ler tudo?

***
Da última vez, comentei que havia algumas próclises e ortografias proibidas no texto do Acordo. Pra que não se pense que estou inventando ou que os exemplos são poucos, trago-vos mais alguns:

– No Anexo II, item 5.3(b): “com a possibilidade de, sem acentos gráficos, se intensificar a tendência (…)”.

– No Anexo II, item 5.4.1(a): “cor (ô), substantivo, e cor (ó), elemento da locação de cor;” — exceto que o certo é locução, não locação! Não tem ninguém alugando nada!

– No Anexo II, item 7.1: “Se, de fato, se abolisse o uso restritivo (…)”

Veja bem, não é que tenha que sair perfeito. É que quem está cagando a regra são eles. Então, quem tinha que PRESTAR ATENÇÃO no que está fazendo e FAZER CERTO são eles, não eu!

***
Já que não dá pra respeitar o que esses caras escrevem, estou pensando sèriamente em esquecer tudo isso. Estou — juro — disposto a voltar a escrever conforme pré-1971, com todos os acentos diferenciais que foram extintos então — e olha que nasci depois da reforma de 71. Assim, no trabalho eu vou até respeitar o Acordo. Mas, aqui no belogue e no Cantinho, realmente cogito se não vou passar a escrever cabêlo e obsoléto (sim, eu sei que obsoléto não levava acento).

***
Recém-lidas:
Action Comics #544 (junho de 1983), primeira história, publicada em Superman 70 anos no. 3 (dezembro de 2008);
Green Lantern #172 (janeiro de 1984), primeira história, publicada em Coleção DC 70 anos no. 2 (junho de 2008);
The New Teen Titans #39 (fevereiro de 1984) e #40 (março de 1984), publicadas em The New Teen Titans: the Judas Contract.

EOF