Pulling bags

Então, o Yahoo! publicou u’a matéria sobre a tendência que as pessoas podem ter ao puxa-saquismo em tempos de crise. Confesso que a li.

Mas vejam só este trecho:

“A [Consultora Fulana] diz que não é preciso envergonhar-se desse tipo de comportamento. O conselho dela para tempos de dificuldade econômica é: vá para o trabalho mais cedo, fique até mais tarde, assista às reuniões e ofereça-se como voluntário para fazer trabalho extra.”

Ué. No meu dicionário, chegar cedo, sair tarde e fazer trabalho extra chama-se TRABALHAR. Ela parece entender que isso seja puxar o saco.

Agora quem trabalha está puxando saco? Isso tem toda a cara da ética que impera neste País desde Martim Afonso. Você não pode trabalhar mais que os molóides, não pode (eventualmente) se destacar; você tem que ser medíocre. Têm que estar todos, em ordem unida, abaixo da média.*

Suponho, então, que quem puxa saco esteja trabalhando. Quer dizer, não posso trabalhar mais que outros, porque dirão que estou puxando saco. Que é só pra aparecer, apesar da produção medida e da receita maior para a empresa.

*Bonus points para quem percebeu que, por definição, é impossível estarem todos abaixo da média. Agora vá explicar isso pro Tenente [name withheld for privacy], meu instrutor no segundo ano do NPOR/IME, que queria todos os alunos acima da média.

EOF