Para dias quentes

Nas últimas duas ou três semanas, temos tido dias de um calor desgraçado aqui no Rio. Hoje é um deles. A praia deve estar cheia, e você ouve os condicionadores de ar da vizinhança, virando direto. Não adianta tomar banho, porque a água desce da caixa na mesma temperatura em que você a queria num dia muito frio.

Em uma de suas obras, Vinicius de Moraes disse que sua receita para esses dias era chupar bala de hortelã. Isso era no tempo em que as casas não tinham ar condicionado.

Já eu recomendo minha fórmula, muito melhor. Em um copo de 300 a 500 ml, vá pondo, nesta ordem,

1 dose de rum Bacardi flavorizado com limão (pode ser outro destilado semelhante: rum, cachaça, gim)
Meia dose de licor de menta
Suco doce de limão até em cima
2 pedras de gelo

Não precisa mexer: conforme cada líquido vai caindo no copo, já mistura sozinho.

Isso ajuda!

***
Esqueci-me de contar. Naquele dia em que fui ao zoísta, a sala de espera tinha uma TV ligada num desses programas de barraco ao vivo, onde as pessoas vão contar seus problemas familiares para que a plateia dê palpite. Difícil eu me concentrar na leitura. Posso escolher não ver (é só fechar os olhos), mas não posso escolher não ouvir.

Na TV, uma mulher reclamava do namorado, que só queria saber de jogar bola com os amigos e não dava atenção a suas necessidades de, hm, vadiar (para usar a curiosa nomenclatura de Jorge Amado em Dona Flor), ou de fazer o que a apresentadora chamava de “nhanhãnha”.

Mas, também, lógico. A mulher era feia como a fome!

***
Aliás, no Afeganistão, dizque as mulheres também são todas muito feias e que nunca tomam banho. Por isso, eram obrigadas a usar aquela roupa que cobria o corpo inteiro, só deixando uma gradezinha para elas enxergarem. Parece que os Estados Unidos acharam pouco, então mandaram bombardear o país.

Não sei; dizem.

***
Prosseguindo no teste de nerdidade:

26. Você já virou a noite estudando? – Tècnicamente, não. Dormi por quase uma hora.
27. Você já fez algum curso do tipo passar/não passar só para preservar seu GPA? – A pergunta parece-me inaplicável ao Brasil. Vou pular.
28. Você já soube mais sobre o assunto do que o professor? – Já.
29. … mas continuou na aula porque “precisava da nota”? – Sim.
30. … e o professor admitiu isso a você? – Não.

Até agora, 20/29.

EOF