As Aventuras de Tintim, uma preciosidade para connoîsseurs e para novatos

Depois de tanto tempo em silêncio neste belogue, depois de ter pensado e iniciado inúmeros textos candidatos a serem o próximo, eu não imaginava que esta postagem fosse tratar justamente do filme do Tintim.

Eu vinha acompanhando as notícias sobre o filme com uma certa apreensão, que aumentou quando vi o trailer. Depois do fracasso do Expresso Polar e de sua perturbadora imitação da vida real, minha expectativa era que Spielberg e Peter Jackson desperdiçassem o potencial aventuresco do personagem. Mas os nerds andaram confiantes e a propaganda foi favorável antes da estreia, então decidi arriscar meus R$ 17 — embora tenha preferido ver a versão 2D depois da má experiência e do desperdício de dinheiro no filme escuro e sem graça do Capitão América 3D.

Senhoras e Senhores, não me arrependi. O filme é divertido! Especialmente para os fãs de Tintim, que vão se deliciar com a adesão ao espírito do personagem e de suas histórias. Já na abertura, somos brindados com créditos escritos com a mesma fonte das capas dos livros. Ao fundo, quadrinhos sortidos e referências diversas sucedem-se para deleite dos fãs: a Ilha Negra, o foguete de Rumo à Lua, a estátua de astronauta de Vôo 714 para Sidnei

Ainda que não houvesse as referências, a própria abertura já teria seu valor. É uma animação de cores fortes, acompanhada de jazz, remetendo às aberturas de filmes dos anos 60 como os de Blake Edwards. Ela mesma já conta uma história e apresenta o teor elaborado das aventuras de Tintim.

Na primeira cena, Tintim está em uma feira de antiguidades enquanto seu retrato é pintado por ninguém menos do que o próprio Hergé, desenhista e Autor de todos os seus livros. Atrás dele há vários outros retratos, saídos diretamente da contracapa das edições clássicas. Nessa mesma linha, para nós que lemos esses livros na desde a infância, o filme traz uma sucessão de referências deliciosas:

– durante os créditos de abertura, vemos um letreiro de aeroporto com localidades como Ilha Negra e Sildávia;

– os recortes de jornal nas paredes do apartamento de Tintim são manchetes correspondentes a aventuras anteriores (especìficamente Os charutos do faraó, O loto azul, O ídolo roubado e O cetro de Otokar);

– o jornal Le Petit Vingtième faz uma breve aparição: esse é o suplemento do jornal Le XXe Siècle onde eram publicadas as aventuras de Tintim até 1940;

– o uísque do Capitão Haddock é Loch Lomond (de Tintim e os Tímpanos);

– as bolas de uísque em queda livre são reminiscentes de Explorando a Lua;

– entre as estátuas do palácio de Omar Ben Salaad, encontra-se a de Shiva, de Os charutos do faraó.

A história avança rapidamente, sem alguma longa exposição do personagem, o que é muito bom, não apenas porque não perde tempo mas também porque os próprios livros não se detêm nisso. O roteiro é uma fusão de O caranguejo das tenazes de ouro com O segredo do Licorne, embora eliminando partes de um e de outro. O resultado ficou bem mais simples do que a soma das duas histórias, mas bem mais complicado do que cada uma individualmente. Então, não há nem menções aos traficantes do primeiro livro, nem aos irmãos Pardal, do segundo. E há algumas outras diferenças, criadas para unir as duas histórias.

CUIDADO: SPOILERS APÓS OS ASTERISCOS. PARA CONTINUAR SEM SPOILERS, PULE PARA OS OUTROS ASTERISCOS.
*
*
*
*
*
*
*
Embora a história principal de O caranguejo não tenha sido usada, algumas referências permaneceram, como o gigantesco ornamento em forma de caranguejo dourado no palácio marroquino e a derrubada de uma grande caixa com latas de caranguejo no duelo final entre Sacarina e Haddock.

São de O caranguejo o sumiço da lupa, a promoção de bengalas, o Karaboudjan, a fuga do porão com garrafas de champanha, a bebedeira de Haddock e seu primeiro encontro com Tintim, o imediato Allan, a fuga e o fogo no escaler, o hidroavião metralhador, sua tomada e sua queda, a caminhada no deserto, o resgate pela Legião Estrangeira e o poderoso Omar Ben Salaad. Tudo mais é de O segredo, exceto que o Capitão Haddock não ouviu nem esqueceu segredo nenhum de seu avô: ele leu as memórias de Francisco, Cavaleiro de Hadoque, e ficou empolgado em reconstituí-las, não no deserto, mas dentro de sua própria casa. Já o personagem Barnaby Dawes é a fusão de um personagem chamado Barnabé, de O segredo, com o marinheiro Dawes, de O caranguejo.

Houve um acréscimo divertido porém desnecessário, que foi toda a sequência rocambolesca ambientada na cidade marroquina de Bagar. Já o parentesco entre o Professor Sacarina e Rackham, o Terrível, não existe nos livros e, portanto, enriqueceu a história. No fim do filme, a busca de Sacarina por vingança proporcionou um duelo que espelha a luta entre o Cavaleiro de Hadoque e o pirata. (Se bem que um detalhe talvez tenha escapado aos roteiristas: se o Cavaleiro de Hadoque foi o único sobrevivente do Licorne e do navio pirata, então ninguém mais soube dos detalhes de seu encontro com Rackham. Como se explica que Sacarina tivesse obsessão por vingança ou conhecimento da maldição?)

De um certo modo, eu tinha a expectativa de encontrar o Professor Girassol. Entretanto, chegando ao meio do filme, o segredo do Licorne não havia sequer sido desvendado, de modo que percebi que o filme não mostraria a continuação que é O tesouro de Rackham, o Terrível. De fato, desse livro só o final foi usado, coincidindo com os últimos cinco ou dez minutos de filme.

(Outro detalhe que escapou, este jurídico: se Sacarina se havia tornado legítimo proprietário de Moulinsart, então lhe pertencia o tesouro encontrado na cripta, que veio junto com o imóvel. Não é para Haddock ficar todo animadinho achando que é dono.)

A última tomada de As Aventuras de Tintim convenceu-me de que Peter Jackson e Spielberg estão pensando em fazer o segundo filme; possìvelmente estão só esperando os resultados de bilheteria do primeiro. Se for isso mesmo, certamente será uma adaptação de O tesouro, exibindo o conteúdo principal do livro depois de já ter mostrado o final. A seguir o raciocínio do filme atual, terão de complicar o próximo com a adição de vilões. Nesse caso, aposto que O tesouro será fundido à aventura A estrela misteriosa, onde Tintim e Haddock, a bordo do Aurora, concorrem com a expedição do navio rival Peary para alcançar uma riqueza sem dono em alto mar.

Se Girassol não apareceu, por outro lado tivemos a participação especial da famosa cantora Bianca Castafiore, representada com aparência idêntica à dos quadrinhos e com o sotaque italiano que deveríamos esperar. Inevitàvelmente, ela também tinha que trocar alguns nomes, chamando Sacarina de Aspartame e Salaad de Salada. Todavia, apesar do uso engenhoso que foi dado à personagem, considero que não tenha contribuído para a história senão com algumas gracinhas, confirmando a desnecessidade da sequência em Bagar.
*
*
*
*
*
*
*
Dois excelentes toques do filme (e que os livros difìcilmente teriam) foram o sotaque escocês do Capitão Haddock e o sotaque inglês de Nestor, absolutamente compatíveis com seus personagens. Outra preciosidade* foram as magníficas tomadas do choque dos navios em alto mar, que não estavam detalhadas em O segredo do Licorne. Aqui e aqui, você encontra, respectivamente, uma prévia e uma entrevista sobre a criação de As Aventuras de Tintim.

Uma diferença especial entre o filme e os livros é a menção ao Rouxinol de Milão, que normalmente estaria um pouco fora de contexto. É claro que, no momento em que esse nome é usado, os fãs logo sabem quem aparecerá. E, sabendo quem é, também é claro que, no momento em que vemos que há uma proteção em volta da terceira miniatura, já percebemos como ela será vencida!…

Já em matéria de tradução, há um detalhe muito bem-vindo aos fãs de longa data. No som original em inglês, o filme dá aos personagens os nomes que ganharam nas traduções dos livros para o inglês (Milu é Snowy; Dupond e Dupont são Thomson e Thompson; Moulinsart é Marlinspike Hall). Mas as legendas respeitam os originais em francês, mais conhecidos no Brasil. Não sei como ficou a dublagem; quem souber, é fineza comentar abaixo. Grato.

Ainda quanto a traduções, o Capitão Haddock tem uma característica onde as versões brasileiras dos livros aperfeiçoaram os originais. Em francês, ele sempre se enraivece invocando “millions de sabords” (milhões de escotilhas), mas a versão brasileira traz o célebre MIL RAIOS E TROVÕES e sua versão mais contundente, COM MIL MILHÕES DE RAIOS E TROVÕES. Aparentemente, a versão inglesa aproxima-se disso, porque, ao longo do filme, Haddock frequentemente esbraveja “milhares de borrascas”. Já os célebres insultos do Capitão, esses aparecem uma ou duas vezes, como não poderia deixar de ser.

Em síntese: As Aventuras de Tintim é diversão garantida para quem conhece e para quem não conhece o personagem — tanto que estou até cogitando ir ver de novo, desta vez em 3D…

* Preciosidade: minha pequena homenagem a Andy Sirkis, que muito bem interpretou o Capitão Haddock em As Aventuras de Tintim e que, há alguns anos, emprestou sua reconhecível voz a outro personagem, quase tão célebre quanto, obcecado com determinado Anel…