Recriando o passado

Nos últimos tempos andei postando narrativas e reflexões deprimentes. Então vamos variar um pouco hoje e falar de uma eterna fonte de alegria: SORVETE!

Lá nos sempre mui pranteados anos 80, havia no Rio de Janeiro uma rede de sorveterias chamada Sem Nome. Aliás o nome da sorveteria tinha sua própria história, que não consigo confirmar por absoluta falta de rastreabilidade de todas as coisas que antecedem a Web; mas a história era a seguinte: a marca havia sido criada como “Ébom”. Supostamente a Kibon teria percebido, aí, uma espécie de golpe de marketing, que a imitava. Então teria entrado com uma ação judicial e conseguido que o fabricante do Ébom abandonasse a marca. Nas sorveterias, os alvarás de funcionamento ainda mostravam a razão social como “Italiano Ébom” (disso me lembro bem), mas a marca já não era essa. Em um segundo e mais esperto golpe de marketing, tendo ficado sem um nome com que se apresentar ao público, o fabricante passou a se chamar Sem Nome. Quem se dispuser a investigar a versão, por favor, venha aqui depois me confirmar se é verdade.

As sorveterias Sem Nome estavam espalhadas pela cidade. Ainda que sob o risco de me lembrar de tudo errado, recordo-me de uma na Gávea, em uma bifurcação da qual se subia para o Parque da Cidade, presumìvelmente onde acaba a rua Marquês de São Vicente, começa a rua Mary Pessoa e hoje há um posto BR. Mas, principalmente, recordo-me de uma na rua Conde de Bonfim, 816, onde hoje funciona uma dessas padarias de luxo.

Até a arquitetura interna da sorveteria era atraente. A entrada ocupava toda a largura da loja. O piso eram lajotas da cor do sorvete de creme. O ambiente era todo muito limpo, a sorveteria estava sempre vazia (mau sinal?), o balcão era enorme, esticando-se ao longo da parede esquerda (para quem entra), e havia um sem-número de mesas com bancos de madeira e um poço de iluminação natural lá no fundo, com pedras redondas formando um fundo e, dispostas em volta, algumas plantas em grandes vasos de cerâmica.

Um dos principais argumentos publicitários da Sem Nome era que tinha mais de quarenta sabores. Só que, toda vez que eu ia lá, constatava duas coisas: (1) não chegava a haver quarenta sabores listados na parede e (2) NUNCA havia todos os sabores que estavam listados na parede. Na verdade, com o tempo, havia cada vez menos; e, à medida que a sorveteria foi declinando, os nomes deixaram de ser impressos e passaram a vir escritos a mão, em papeis, em menor quantidade. Minha teoria, formada na época mas que ainda sustento, é que jamais o fabricante teve a intenção de sequer criar receitas para alguns daqueles sabores, que só estavam listados para fazer número. Lamentei o dia em que a Sem Nome, de sorveteria, transformou-se em lanchonete, servindo até hambúrguer. Não estava longe o fim, que, àquela distorcida altura, nem cheguei mais a lamentar, como se fosse mera eutanásia comercial a poupar os olhos de sofrerem pela decadência da outrora digna e inovadora sorveteria carioca (aliás nem sei se era mesmo carioca).

Mesmo assim, os sabores eram realmente muitos e excelentes e, no auge da Sem Nome, eu a frequentava com entusiasmo. Em uma época em que a Kibon só fabricava a ubíqua rotina creme-chocolate-morango-flocos-napolitano, a saudosa concorrente oferecia o diferencial de certas novidades como laranja, manga, melão, ameixa, passas ao rum, doce de leite, coco queimado, doce de leite com coco, abóbora com coco, e um de meus favoritos: milho verde.

Também havia receitas próprias de sundaes. Além dos convencionais Colegial* e Banana Split**, praticados em outras sorveterias e restaurantes, a Sem Nome oferecia combinações batizadas com os nomes de cidades italianas. Assim, lembro-me de um sundae (infelizmente não lembro qual era a cidade) que tinha seis bolas de sorvete empilhadas! Seria um desafio que nunca encarei.

Em especial, até hoje continuo me lembrando muito bem do Copa Veneza: duas metades de um pêssego em calda, duas metades de uma banana, duas bolas de sorvete de sabores diferentes à escolha do freguês, duas coberturas diferentes (posso estar enganado quanto à quantidade de coberturas, mas é isso que lembro), castanha de caju, marshmallow (ou será que era chantilly?), uma cereja, e um tubete (que, na época, não se chamava “tubete”; e talvez não houvesse e eu o esteja trazendo da lembrança de outro sundae), tudo isso em uma taça alta e larga de vidro grosso. Invariàvelmente, meus dois sabores de sorvete eram coco e amendoim, inclusive porque a Kibon não os tinha; e as coberturas eram de caramelo e morango. Muitas foram as vezes em que tomei Copas Venezas e às vezes fico pensando como eu conseguia! Meu metabolismo atual jamais permitiria que eu deglutisse impune todas essas calorias, e mesmo essa deliciosa deglutição só será possível se eu estiver com a barriga totalmente vazia…

Nos tempos atuais, os sabores da sorveteria Itália ocupam dignamente o vácuo deixado pelos da Sem Nome. Infelizmente, as Itálias são minúsculas, mal tendo alguns banquinhos (nas ruas Santo Afonso, Visconde de Pirajá e Figueiredo de Magalhães e no Downtown), reduzindo-se a quiosques (no Shopping Tijuca) ou até mesmo consistindo apenas em geladeiras (nas franquias do Rei do Mate). Por isso, apesar de todos os deliciosos sabores, não creio que a Itália vá um dia ocupar o nicho deixado pela Sem Nome em matéria de espaço e experiência.

(Considerando que um dia a Itália possa tomar o mesmo caminho da Sem Nome — embora eu torça para que não –, fica aqui registrado que ela oferece ou já ofereceu, entre diversos outros, os sabores de limão, limão siciliano, manga, manga com gengibre, tangerina, abóbora com coco, amarena (creme de cereja), banana caramelada, biscoito (chocolate com pedaços de biscoito), brownie (chocolate com pedaços de bolo de chocolate), café puro, “café chips” (café com bolinhas de chocolate duro), canela com mel, “chocolate africano” (com amendoins), chocolate branco com maracujá, chocolate com amêndoas, chocolate com avelã, chocolate “de origem”, chocolate meio amargo, coco, cookie (creme com pedaços de biscoito de chocolate), doce de leite, doce de leite com chocolate, doce de leite com doce de leite, flocos, iogurte, iogurte com calda de goiaba, iogurte com limão siciliano, iogurte com pêssego, menta com flocos de chocolate, milho verde, morango com pedaços, nata, nozes, paçoca, passas ao rum, pistache com pedaços, queijo, romeu e julieta, “sonho de valsa”, tapioca, “torrone”, torta alemã (camadas de creme, chocolate e biscoito), torta de limão (com camadas de biscoito)… A Itália também tem diversos picolés, que têm bastante saída, com sabores que incluem alguns desses e também açaí e groselha.)

Pois bem. Esta postagem nasceu porque, por muitos anos, eu quis reconstruir o Copa Veneza, até que, em dezembro de 2013, comprei duas taças de vidro as que encontrei mais parecidas com as da Sem Nome (um requisito essencial), mais todos os ingrediente, e pus mãos à obra.

Infelizmente, a Itália não faz sorvete de amendoim, de modo que tive que recorrer à coisa mais próxima, que é o sorvete Sonho de Valsa, fabricado pela Kibon sobre a marca da Lacta. Não é idêntico ao de minha lembrança porque tem pedaços de chocolate na massa, mas haveria de servir. Também não se encontra mais sorvete de coco, que a Kibon fabricava até há pouco tempo e que eliminou na recente reformulação de sua complexa linha. Mas, nessa mesma reformulação, existem três potes que são compostos por trios de sabores, e um deles é dito de “frutas tropicais”: manga, abacaxi e coco. Então, tal como Homer Simpson, que só compra napolitano por causa do chocolate, comprei o trio por causa do coco (não que tenha jogado o resto fora depois, se é que me entende).

Além disso, percebi que, se eu usasse dois sabores de cobertura como no Copa Veneza original, eles formariam uma barafunda indistinta de gostos e eu não sentiria nenhum. Então, para maior curtição dos sentidos, um sabor estaria de bom tamanho. Escolhi caramelo, que é mais neutro do que morango e, assim, não interferiria no pêssego e na banana. Quanto à dúvida entre chantili e marshmallow, o primeiro foi escolhido sem discussão pelo simples fato de que não se encontra marshmallow nestas paragens subequatoriais. Pelo menos o resultado também fica mais leve.

A montagem de um sundae não é caótica. Tal como se constrói um edifício, existe uma ordem, um propósito na sucessão dos ingredientes. Então, de baixo para cima, fui adicionando as metades do pêssego e da banana, as bolas de sorvete, a cobertura de caramelo, as castanhas de caju picadas (não moídas, marque bem), o chantili e as cerejas. Sim, aS cerejaS, que já são idos os tempos em que garçons e sorveterias ficavam regulando cereja prà gente. Ora, se agora faço o sundae na minha casa e compro cereja a granel, com muito mais razão vou compensar o recalque e lançar logo uma porção delas, não é mesmo? Então são três cerejas para cada taça, e perdoe-me a falecida Sem Nome por adulterar a clássica receita.

Finalmente, lembrar que nunca fui entusiasmado por tubetes (será que não era biscoito Champagne? Tomara que não, porque esses são mais caros; e acho que não, porque são grandes também). Então, minha variação do Copa Veneza vai sem biscoito.

O resultado está aqui. Posso lhe assegurar que estava tão gostoso quanto aparentava!

Dois sundaes Copa Veneza recém-montados

Dois sundaes Copa Veneza recém-montados

* Colegial: uma bola de sorvete (geralmente de creme), cobertura de chocolate, castanha de caju e uma cereja, servido em uma taça baixa, de vidro. Sim, é simples mesmo.

** Banana split: uma banana grande, partida ao meio, com três bolas de sorvete dispostas horizontalmente entre as metades (geralmente de creme, morango e chocolate), cobertura, às vezes marshmallow ou chantilly, castanha de caju e uma cereja, servido em uma pequena travessa.

EOF